Navegador Chrome deixará de aceitar sites com tecnologia Flash

O Google lançou um plano para reduzir drasticamente o suporte do seu navegador de internet, o Chrome, a sites que ainda usam o Adobe Flash Player, tecnologia usada principalmente em animações e recursos multimídia. O Flash há tempos é considerado, pelo mercado, tecnicamente defasado e vulnerável a ciberataques.

A proposta, chamada "HTML 5 por Padrão", pretende priorizar o uso do HTML 5 no lugar do Flash, incentivando desenvolvedores de sites a preferirem esse tipo de programação.

Veja os cinco pontos defendidos pelo documento do Google:

* Se um site oferece uma experiência de uso em HTML5, esta será adotada como experiência padrão no Chrome;

* Quando um usuário encontrar um site que precisa de Flash Player, um alerta irá aparecer no topo da página, dando ao usuário a opção de permití-la no site;

* Se o usuário aceitar o alerta, o Chrome irá anunciar a presença do Flash Player e atualizar a página;

* O Chrome vai salvar a configuração do usuário para esse domínio nas visitas seguintes;

* Para evitar o excesso de alertas aos usuários, inicialmente lançaremos uma "lista branca" dos 10 principais sites (com base na métrica de uso agregado). Esta lista vai expirar após um ano.

Muitos sites já usam apenas HTML 5, então na prática a medida afetará poucos sites, a maioria deles muito antigos e que não são reformulados há anos. A tal lista branca, segundo métricas internas do Google, incluirá sites como YouTube, Facebook, Yahoo e Amazon.com, e será periodicamente revista a cada ano, para remover sites cujo uso não justifica uma exceção.

O plano do Google contra o Flash deverá ser implementado a partir do quatro trimestre deste ano. É mais um capítulo na lenta morte desta tecnologia: em 2011, a Adobe desistiu de adaptar o Flash para seus dispositivos móveis. No ano seguinte, foi a vez do Android. Em 2015 o próprio Google há havia dado outro grande passo ao anunciar que o Chrome não iria mais reproduzir anúncios em Flash.

A própria Adobe já encerrou o uso do editor Flash Professional e anunciou o substituto do Flash, o Animate, recomendando aos desenvolvedores que priorize o uso deste último.